SÉRIE

SOBERANIA ALIMENTAR DAS COMUNIDADES TRADICIONAIS DE FUNDO DE PASTO

Compartilhando conhecimentos

Círculo de cultura

O objetivo desta série é compartilhar conhecimentos sobre as Comunidades Tradicionais de Fundo de Pasto. O que me motivou realizar este trabalho foi o desejo de contribuir com as comunidades na reflexão sobre o tema da soberania alimentar.

A perspectiva é motivar pessoas a responder ao desafio de promover transformações sociais e políticas que contribuam com um projeto de campo e de sociedade em favor dos interesses dos camponeses. Ainda, pretendo estimular a reflexão acerca da expansão do capitalismo no campo e como isso ameaça o direito ao território tradicionalmente ocupado, ao modo de vida camponês e a soberania alimentar das comunidades.

Quem são as Comunidades Tradicionais de Fundo de Pasto?

Quem são as Comunidades Tradicionais de Fundo de Pasto? Como elas surgiram? Onde estão localizadas? Em que ambiente vivem? Como vivem? O que produzem? Como se organizam?

As Comunidades Tradicionais de Fundo de Pasto estão situadas no Semiárido do Estado da Bahia, Brasil, nos biomas Caatinga e Cerrado. O Fundo de Pasto é um modo de vida tradicional de viver no Sertão, de ocupação e uso comum dos territórios tradicionalmente ocupados. Os usos, o manejo e a gestão das áreas individuais e das áreas de uso comum se dão de forma integrada, complementar e interdependentes.

Sua reprodução social e econômica se deu ao longo do tempo através de uma relação de convivência com o Semiárido, adaptando o seu modo de vida, o trabalho e a produção conforme a realidade e as condições dos Biomas Caatinga e Cerrado.

Compartilhando o meu livro

Livro Soberania Alimentar Fundo de Pasto

Este livro é dedicado e dirigido às Comunidades Tradicionais de Fundo de Pasto. Espera-se que seja um instrumento que sirva para potencializar a reflexão e as lutas por maior acesso às políticas públicas e por transformações sociais, autonomia e emancipação.

Também, pode ser utilizado por gestores públicos, técnicos, pesquisadores, educadores, movimentos, organizações sociais e todos aqueles que buscam mais conhecimentos sobre estas comunidades.

A soberania alimentar das comunidades tradicionais de Fundo de Pasto passa pela garantia do direito a alimentos saudáveis, nutritivos, acessíveis e culturalmente adequados, produzidos de forma sustentável e agroecológica.

Proponho às Comunidades Tradicionais de Fundos de Pasto a utilização do Círculo de Cultura como um instrumento capaz de propiciar a reflexão sobre a sua soberania alimentar. Penso que o Círculo de Cultura tem enorme potencial para se tornar um espaço continuado de formação intelectual e política, de crítica, de construção coletiva de conhecimentos, de planejamento e ação coletiva.

RECEBA O LIVRO GRÁTIS.

Sobre o autor

Flávio Bastos é mestre em Educação do Campo (UFRB), especialista em Desenvolvimento Rural Sustentável (UFCG) e engenheiro agrônomo (UFV).

No momento, trabalha no Núcleo de Assessoria às Comunidades Atingidas por Barragens (NACAB), exercendo a função de coordenador geral da Assessoria Técnica Independente (ATI) às comunidades atingidas pelo rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, na região 3 da Bacia do Rio Paraopeba.

Trabalhou na Casa Civil do Governo da Bahia, exercendo a função de secretário executivo do Grupo Governamental de Segurança Alimentar e Nutricional. Foi assessor de planejamento e coordenador do Orçamento Participativo na Prefeitura de Irecê – BA.

Como coordenador do programa Agroecologia e Convivência com o Semiárido e coordenador executivo do Centro de Assessoria do Assuruá (CAA), prestou assessoria técnica e política às comunidades tradicionais de Fundo de Pasto dos municípios de Oliveira dos Brejinhos e Brotas de Macaúbas, Bahia.

Para contato